quinta-feira, 15 de maio de 2008

Eu amo velhinhos fofinhos!!


Gente... tem gente que adora crianças, vai num parque e fica babando pelos bebês nos carrinhos, pela pirralhada brincando... Ok, também acho uma graça, mas são seres cercados de cuidados, que têm energia de sobra e uma vida toda pela frente.

Eu sou louca é por velhinhos... sou capaz de me emocionar só de olhar para um e ficar imaginando a história de vida daquela pessoa, quantas alegrias já teve, quantas tristezas já viveu... pessoas que já atravessaram a maior parte da estrada da vida e muitos não têm mais, como nós, planos para daqui a 10 ou 20 anos, pois não sabem se ainda estarão por aqui. O pior é quando estão doentes, o corpo não acompanha mais a cabeça ou vice-versa. Mas o que me deixa mais triste é que a nossa sociedade não valoriza os mais velhos sabe? Muitas pessoas não têm paciência pra conversar, acham que os idosos são uns inúteis que só dão trabalho... e olha que já vi muuuitos filhos e netos com esse pensamento absurdo!! Quando mais precisam de cuidados e atenção, os velhinhos são deixados de lado. Já viram quantos asilos lotados existem por aí??? Cheios de vovôs e vovós que nem nunca mais viram a família, porque esta simplesmente nem aparece. Muito triste!!!!

Bom, hoje eu não agüentei... pego o ônibus pro trabalho bem em frente a uma praia onde o povo fica caminhando. Sempre que estou no ponto, tem um velhinho que caminha ali todo dia, pra atravessar a rua. Ele é baixinho, meio gordinho, muito fofo, sempre de bermuda, camiseta e boné. Ele chega no meio fio, põe os braços pra trás e fica olhando de um lado e do outro pra atravessar. Eu fico olhando, com vontade de ir pro outro lado da rua buscar ele. Hoje ele tava pra atravessar e eu apertei o botão pro sinal fechar e ele passar. Aí apontei pro alto, ele atravessou e veio falar comigo.

"Minha filha, muito obrigado. Eu fico esperando os carros pararem, não adianta só o sinal fechar porque eles não respeitam!"

"Pois é senhor, tem que ter muito cuidado!"

"Há uns cinco anos, minha esposa quase foi atropelada aqui por um carro que não parou."

"Nossa que perigo hein!"

"É minha filha. Ela já faleceu. Mal de Parkinson sabe?"

"Puxa, senhor. Que pena... mas o senhor tá aí, firme e forte caminhando todo dia né?"

"É! Eu tenho 87 anos e meio!!"

"Nossa!! Pensei que fosse menos!! Olho pro senhor e lembro do meu pai, ele também gostava de caminhar, mas faleceu ano passado..."

"É triste né minha filha, eu perdi minha esposa, mas continuo casado com ela até hoje, olha!".

Nisso ele mostrou a mão esquerda pra mim, aquela mão enrugadinha, com uma aliança dourada no dedo. Aiiiiiiiiiii meu olho encheu d'água!!

"Puxa.... (quase que minha voz não saiu)... que lindo!!!"

"É minha filha... e você é bonita por dentro e por fora... muito obrigado viu?"

Nisso ele pegou minha mão e beijou.

"Imagina, uma bom dia pro senhor!!!!"

Virei e discretamente no ponto de ônibus cheio de gente comecei a secar as lágrimas. Não adianta. Há quem faça de tudo pelo sorriso de uma criança mas pra mim um papo com um velhinho não tem preço.

9 comentários:

Regina disse...

É verdade, Marcela, vc tem toda razão... hj em dia ninguém mais respeita os velhos, só que se esquecem que um dia tbém vão ficar velhos, né... Me emocionei lendo o que vc escreveu... Porque estou cuidando do meu pai que vai fazer 77 anos em agosto e há pouco tempo passou por uma fase bastante difícil, ficou doente, mas graças à Deus, agora está bem... mas me dói vê-lo envelhecer, ver que já não tem mais os mesmos reflexos que antes, vê-lo caminhar mais lentamente, enfim... queria de volta aquele pai ativo e forte de antes... Mas a gente tem que respeitar os nossos velhinhos sim, pois devemos muito à eles, à sabedoria que eles nos transmitem... Desculpe o desabafo... Beijos no coração...

isis disse...

nossa.. eu já chorei d rir aqui.. mas hj vc conseguiu me fazer chorar... e ficar muito emocionada! Que coisa mais linda o que esse senhor é... até hoje é casado!!!
São pessoas assim que nos fazem ver como a vida pode ser bonita e emocionanta...
Muito lindo mesmo esse post, é um grande exemplo de que o amor existe...
to chorando até agora!!!!

Natalia disse...

Oi Marcela.
Concordo com a Isis! Vou te confessar uma coisa, eu me lembro quase sempre do seu blog qdo estou triste, dai penso ¨vou dar uma passadinha lá pra me alegrar¨ e muitas vezes funciona, me mato de rir aqui com você, mas desta ves, não sei se foi pq ja estava meio deprê, e ouvindo ¨Yesterday¨ , rs
Mas me emocionei, meus olhos encheram de lagrimas, rs
Adoro crianças, mas tb ja me peguei varias e varias vezes, me fazendo essas mesmas perguntas que você, contemplando um velhinho ou uma velhinha, sempro com aqueles olhares serenos, de quem não esta coma minima pressa, rs
Bom só sei de uma coisa...
Mais uma vez, seu blog, trouxe alegria pra mim. Bjos

MysongsforJesus disse...

Own que lindo! às vezes eu tenho dó porque ninguém liga muito e tenho medo do que eu vou fazer com os meus pais quando ficarem velhos. =/

Dayse Gasparinho disse...

Pessoas idosas sempre foram a minha paixão. Não a nada como sentar e escutar suas historias carregadas de alegrias e tristezas, mas sempre contadas com aquela emoção de ter vivido e hoje serem uma lembrança tão preciosa.

No meu antigo prédio tem um senhor por volta dos 90 anos, e sempre que eu ia para a escola ele estava saindo do prédio também. Costumávamos ir pelo mesmo caminho e nunca me esqueço da história que ele me contava:

"Quando conheci minha esposa, me apaixonei logo por ela. Eu era um rapaz humilde e pensava que era impossível uma garota como ela se interessar por mim. Só Deus sabe o porque, mas ela também se apaixonou. No nosso primeiro encontro eu não sabia o que fazer, não tinha dinheiro para levá-la à algum lugar bacana ou comprar algo caro. Fiz um piquenique, dava um medo de pensar na possibilidade dela não gostar, mas ela adorou. E no meio do piquenique cismou que queria uma laranja que estava na árvore. Eu tinha um bonito canivete, que herdei do meu pai. Fui lá, todo me achando, pegar a laranja. Cortei com o canivete, para dar a emoção dela ver o objeto bonito que eu tinha. Ela riu, acho que percebeu a minha intenção. Quando voltei com a laranja ela brincou sobre eu tirar uma laranja da árvore com um canivete, fiquei tão sem graça. Passaram-se muitos anos desde esse dia e no nosso aniversário de 50 anos de casados eu dei o meu canivete para ela, o mesmo canivete do piquenique. Ela se emocionou tanto, nossos netos perguntavam para ela o que significava a frase 'todo meu amor e laranjas que você quiser'. Mas nem precisou responder, o seu sorriso já deu para explicar tudo.

e até hoje quando o encontro ele me conta essa mesma história, e eu a escuto sempre com um sorriso e lágrimas nos olhos.

beijo, o seu blog está maravilhoso!

Marcelo disse...

"É triste né minha filha, eu perdi minha esposa, mas continuo casado com ela até hoje, olha!".


Crianças podem até ser fofinhas, mas nunca vão dar uma lição de amor dessas.

Vivi LAhorgue disse...

Há laguns anos atrás, fui ao cinema, sozinha... (às vezes eu faço isso) Naquela ocasião, fui assistir ao filme Step Mom (com a Julia Roberts e a Susan Sarandon)...Eu chorava copiosamente...
Havia uma senhora ao meu lado, deveria ter por volta dos setenta e cinco, oitenta anos...Ela, no meio do filme, vira-se para mim e pergunta: (justo para mim, que detesto conversa no cinema)
"-Minha filha, vc sabe a diferença entre a paixão e o amor?" Resolvi prestar atenção, qdo vi se trtar de uma senhorinha, ela certamente teria algo interessante a me dizer...
Respondi que não.
Ela então explicou, como se recitasse um poema:
"-A paixão é como o fogo. Alastra de repente, tomando conta de nós. Chega a doer, marca, deixa rastro. Mas, acaba. O amor, é como a brasa. Queima devegar, vc quase não sente que está queimando. Quando vc pensa que vai apagar, vem um vento e ele reacende começando tudo de novo."

Uma criança não nos ensina esse tipo de coisa... Mas nos ensina a amar também....

São diferentes aprendizados...

Isis disse...

A grande diferença entre as crianças e os velhinhos, é que as crianças nos despertam amor, e os velhinho, nos ensinam que ele já existe a muito mais tempo que imaginamos

Samara Lemos disse...

O decorrer do tempo nos traz o amor mais lindo de todoos..
logo quando minha avó morreu meu avô falou "hoje, Deus levou a minha jóia rára, o maior presente que ele me deu em toda a minha vida"
hoje em dia já à 10 anos da morte dela e ele com 92 anos as palavras não mudaram com o tempo... a mesma emoção e paixão ao falar dela permanece com ele junto às lágrimas nos olhos, ele é a coisa mais linda do mundo e todo mundo que o conhece nota q hj ele seria mais feliz se ela estivesse com ele...
^^